Punaré e Baraúna

Punaré & Baraúna, duas versões cantadas de um mesmo entrevero

Livre adaptação do romance “Cansaço – a longa estação”, de Luíz Bernardo Pericás, a montagem da ATA traz os personagens centrais da trama, Punaré e Baraúna, e o desejo de ambos por Cicica. O texto navega duas versões cantadas sobre um mesmo entrevero. Neste espetáculo, a orquestra de atores d’Amacaca se projeta para o sertão brasileiro numa estória de amor e solidão.

Punaré & Baraúna estreou em maio de 2015 no Teatro Sesc Garagem, em Brasília. Em seguida passou pelos palcos dos teatros Newton Rossi (Sesc Ceilândia) e Paulo Gracindo (Sesc Gama). Integrou também a programação do Cena Contemporânea 2015. No Prêmio Sesc do Teatro Canndango, ganhou os prêmios de Melhor Direção (Hugo Rodas), Melhor Trilha Sonora (ATA e Cacai Nunes) e Melhor Iluminação (Raquel Rosildete), além das indicações para Melhor Espetáculo, Melhor Cenografia (Hugo Rodas) e Melhor Figurino (Diana Porangas). Em 2016, compôs a do Palco Giratório DF.

Além de Brasília, Punaré e Baraúna foi apresentada em Goiânia (GO), Cachoeiro do Itapemirim (ES), Ceilândia (DF) e Gama (DF).

Raro encontrar tamanho compromisso com a inventividade em processos teatrais como nos espetáculos da ATA. É nítida a incessante vontade de surpreender o público e sempre fazer teatro de altíssimo nível artístico! Mateus Castello Branco