André Araújo

Project Info

Project Description

Formado em Artes Cênicas pela Universidade de Brasília (2005), André trabalha com o diretor uruguaio Hugo Rodas a 15 anos. Dessa parceria renderam 7 espetáculos teatrais, dentre os quais ADUBO ou a sutil arte de escoar pelo ralo (com o qual ganhou o prêmio de melhor ator do 2º Prêmio SESC do Teatro Candango, em 2005), O Rinoceronte (melhor ator do 12º Festival Nacional de Presidente Prudente, em 2005) e Seis Personagens a Procura de um Autor (melhor ator do 18º Festival de Teatro Universitário de Blumenal, em 2004). Percorreu cerca de 60 cidades brasileiras nas duas edições que participou do Palco Giratório do SESC, com os espetáculos ADUBO e Rosanegra, ambos dirigidos por Hugo Rodas. No Rio de Janeiro trabalhou com o diretor João Fonseca na montagem do musical Gota D`Água (2007) e do espetáculo Pão com Mortadela (2009), além de integrar o elenco do musical No Piano da Patroa (2009) de Lena Horn e Roberto Burgel. Sua primeira experiência como diretor se deu com o musical infantil de rua O Mundo Mágico de Nina (2014). Na dança contemporânea, sua primeira experiência em cena foi ainda em Brasília com o espetáculo Retrato de Homem Velado (2003), do coreógrafo italiano Camilo Vacalebre, seguido de De Touros e Homens (2004), da coreógrafa Márcia Duarte. Entre os anos 2009 e 2012, já no Rio de Janeiro, integrou a Os Dois Cia de Dança Contemporânea, companhia dirigida pela coreógrafa Giselda Fernandes, participando da criação de diversos espetáculos e performances no decorrer desses 4 anos. No cinema protagonizou o longa metragem argentino Tarde en el Abismo (2013), do diretor Pedro Oswald, e o curta metragem A Minha Maneira de Estar Sozinho (2008), além de atuar dos curtas Passeio (DF, 2014), Felizes Para Sempre (RJ, 2014), O Homem Pipoca (DF, 2006), Véi (DF, 2005) e Macacos me Mordam (DF, 2004). Participou ainda do longa metragem A Concepção (DF, 2004), de José Eduardo Belmonte, e As Vidas de Maria (DF, 2001), de Renato Barbieri. Em 2013 viveu a experiência de ser assistente de direção de Ulysses Cruz na Via Crucis e na Vigília da Jornada Mundial da Juventude, dois mega espetáculos a céu aberto realizado com 500 artistas em cena distribuídos por 13 palcos ao longo da orla de Copacabana, na ocasião da visita do Papa Francisco ao Brasil. Desde 2007 ministra oficinas de teatro, teatro para crianças, improvisação e performances urbanas.